WhatsApp WhatsApp - (16) 99770.3072

Usinas da região já produzem 20% da energia que vem da cana


 

Usinas da região de Ribeirão Preto vão gerar, em 2016, energia suficiente para abastecer cinco cidades do tamanho de Sertãozinho durante um ano.

 

Mas, esse volume poderia ser até cinco vezes maior se todo o potencial que existe nos 510 mil hectares de cana-de-açúcar da região fossem totalmente explorados.

 

Levantamento da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) mostra que 20% de toda energia gerada a partir da biomassa da cana no País sairá da região. Isso dentro do programa de certificação de bioeletricidade da instituição.

 

Das 50 unidades produtoras que possuem o Selo Energia Verde, oito são da Região Admistrativa de Ribeirão e elas produzem 2 dos 10 Terawatts-hora.

 

“Esse projeto de certificação contribui para divulgarmos cada vez mais as vantagens desta fonte, que além de trazer segurança energética para o Brasil, evita a emissão de CO2”, disse Zilmar José de Souza gerente em Bioeletricidade da Unica.

 

Ainda segundo ele, só a região de Ribeirão deixará de emitir 705 mil toneladas de CO2 para a atmosfera neste ano.

 

“E isso pode ser ainda maior se houver investimento nas unidades e estabilidade nas regas de exportação de energia para a rede nacional”, explica Zilmar. Ainda segundo ele, em todo País, são 355 usinas do setor sucroalcooleiro e 177 vendem o excedente de energia elétrica para o mercado.

 

“Unidades novas já possuem em seu módulo de negócios a cogeração. E as unidades mais antigas precisam investir.”

 

Potencial

E além das usinas -o A Cidade tentou contato com três grupos que possuem unidades geradoras de energia na região com o Selo Verde da Unica, mas não teve retorno- o setor industrial também ganha com a expansão da cogeração de energia.

 

Para Paulo Roberto Gallo presidente do Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (Ceise-Br), a geração e exportação de energia segue como um importante componente do mix das usinas, ao lado do etanol e do açúcar.

 

“No entanto, com a recente retomada dos preços do etanol e do açúcar, é necessária uma série de ajustes para que a energia elétrica venha a conseguir um papel mais destacado no segmento”.

 

São Paulo na rede elétrica

O programa São Paulo na Rede Elétrica, da Secretaria Estadual de Energia, é outro incentivo à ampliação do fornecimento de energia para a rede elétrica produzida a partir da queima da palha e do bagaço da cana-de-açúcar e outros insumos como cavaco de madeira. A Secretaria faz a interlocução de usinas com a concessionária da região para promover a ampliação do fornecimento de energia na rede. Em estudo, a secretaria mapeou as usinas existentes e identificou a produção, consumo e exportação de energia excedente para a rede elétrica. Das 166 usinas analisadas, 34 delas estão na região nordeste do Estado. Destas, dez foram selecionadas para um projeto piloto.

 

Veja também:
Mecanização da colheita de cana
Eixo de caminhão: entenda as diferenças
Moagem de cana da Odebrecht Agro deve crescer 5,5%
Terceirização de frota gera economia de até 30% para empresas